Arquivo da tag: São Paulo

TUJU – jantar Michelin

Um jantar Michelin que começa pela reserva. Praticidade e rapidez pelo site, onde os horários disponíveis ficam dispostos, e até as restrições alimentares e alergias podem ser comunicados com antecedência.
A fachada é discreta de noite, mas vale a visita de dia por conta da arquitetura com muita transparência, dialogando com o entorno urbano.
spoon-2016_0560
Logo que entramos, nos deparamos com a cozinha aberta do chef Ivan Ralston.
spoon-2016_0621
Pedimos o espumante Lírica Crua da Vinícola Hermann (R$ 110) por ser diferente. Não passa pelo processo de dégorgement, mantendo a pureza e essência, sendo rica pela presença das leveduras no interior da garrafa. É levemente turvo, com aromas de fruta cítrica, pêra fresca, flores brancas e leve toque de pão. O seu frescor combinou bem com a noite que estava quente.
spoon-2016_0563
Optamos pelo Menu Degustação de 15 Etapas (R$ 290).
Que comece a experiência!
Brusqueta de língua e beldroega – O pão e a língua estavam impecáveis, sabores e texturas equilibrando com leve acidez da beldroega.
spoon-2016_0566
Ostra, cajuína e vinagrete de papaia verde – Curiosa combinação.
spoon-2016_0568
Tapioca de foie gras, cambuci e especiarias brasileiras – Não sou muito fã de tapioca, mas aqui ficou ótima, bem crocante, contrapondo com a maciez e cremosidade do foie gras. A acidez da geléia ficou perfeita com o foi gras.
spoon-2016_0571
Éclair de ouriço e pó de alga codium – Adoro éclair e ouriço, mas nunca imaginei essa combinação. Casou perfeitamente, e a sensação foi a de estar em dúvida, se era um canapé ou uma sobremesa, uma deliciosa brincadeira.
spoon-2016_0574
Folha de peixinho frita, carne crua e bottarga – a folha frita comeria aos montes como se fosse salgadinho, de tão bom que era. Mas a sensação foi a de que apagou resto dos elementos.
spoon-2016_0576
Buquê de Pancs (plantas comestíveis não-convencionais) – PANCS, super moda da atualidade…
spoon-2016_0579
Lindo buquê, nem parece que foi feito para comer.
spoon-2016_0581
Levemente temperado, o buquê de Pancs é uma sequência de surpresas de sabores.
spoon-2016_0584
O croissant que acompanha tem uma massa divida, dos melhores que já comi em São Paulo.
spoon-2016_0583Tutano no missô de castanha portuguesa e pão de castanha-do-pará – Um dos itens que estava com maior curiosidade, especialmente pelo missô de castanha portuguesa, que aqui dá o tempero salgadinho ao prato.
spoon-2016_0588
A recomendação era de comer junto com o pão. Aliás, os pães aqui são simplesmente divinos.
Para mim, esse prato foi o que fez desandar um pouco a experiência do menu como um todo. Gostoso estava, mas muito pesado. Senti que deveria ter comido apenas uma bocada, pois me senti muito estufada e perdi totalmente a vontade de continuar comendo.
spoon-2016_0589
Aqui a passagem para os pratos a serem degustados com  talheres. Chega à mesa um prato com uma espécie de comprimido. O atendente joga um pouco de água e o comprimido se expande, formando a toalhinha para limpar os dedos.
spoon-2016_0590
Carpaccio de garoupa, ervilha, leite de ovelha e taioba – Os elementos são muito divertidos e saborosos, a garoupa fica em segundo plano.
spoon-2016_0593
Sopa de milho com camarão branco selvagem e couve-rábano – Lembra o gaspacho, mas com sabor diferente, refrescante. Adorei quando degustado com a folha de manjericão.
spoon-2016_0596
Peixe do dia com caldo e pedaços de abóbora e granola – Peixe bem macio e suculento, ficou muito bom com o creme de abóbora e os elementos da granola que deram o contraste na textura.
spoon-2016_0599
Wagyu, feijão-manteiguinha, tupinambo e germinado de milho – o acém de wagyu estava macio e saboroso, e o feijão maravilhoso.
spoon-2016_0603
Tábua de queijos brasileiros – Definitivamente temos ótimos queijos no Brasil!
spoon-2016_0607Atemoia, batido de limão com infusão de folha de figo e crumble de café – Adoro a atemóia e o toque de limão deixou bem fresco. Mas o destaque mesmo foi o delicioso crumble de café.
spoon-2016_0609Panacota com calda de jabuticaba, pitaia, mirtilo, pinhão tostado e sorvete de formiga – Ouvi formiga? Sim, o melhor dessa sobremesa foi, sem dúvida, o sorvete com aroma de capim limão.
spoon-2016_0611Quatro elementos | terra [beterraba amarela com vinagre balsâmico] | ar [pólen de abelha nativa] | fogo [defumado] | água [chá de oolong] – Chocolates para uma chocólatra? Ai meu deus! Mas não aguentava comer mais nada… Como a opção era de levar para casa, me deliciei no dia seguinte. Sim, um desbunde!
spoon-2016_0613
Acesso aos fundos do restaurante onde estão os sanitários e escada para a famosa horta. No jardim interno pode-se observar a presença de comestíveis como o tomate.
spoon-2016_0614
Finalmente a horta!
spoon-2016_0615
Aqui estão algumas das plantas utilizadas nos pratos degustados. Adoro essa experiência de interação com a fonte dos alimentos que experimentamos.
spoon-2016_0616
O jantar foi uma experiência “Michelin” bem interessante e prazerosa.
Não vejo a hora de retornar, desta vez durante o almoço para poder curtir um pouco mais da arquitetura também.

TUJU
Website: http://tuju.com.br/
Facebook: https://www.facebook.com/tujurestaurante/?fref=ts
Endereço: Rua Fradique Coutinho, 1248, Pinheiros, São Paulo, SP.
Telefone: (11) 2691-5548
Horário de funcionamento:
Almoço: Ter a Sex 12h às 15h; Sáb, Dom e Feriado 13h às 16h
Jantar: Ter a Qui 19:30 às 23h; Sex e Sáb 19:30 às 0h.

Anúncios

Festa do Ano Novo Chinês na Liberdade!

Feliz Ano Novoooooo (mesmo uns dias adiantados, hehe)!!!

Depois de anos relutando em ir a este evento, por saber que fica muito cheio, resolvi conhecer, mas agora sob um aspecto diferente, mais focado na comida, rs. Pensei muito antes de sair de casa por estar meio doente, mas a vontade de ter a chance de comer o meu guioza preferido que nunca mais tinha encontrado na feira da Liberdade, me deu uma motivação a mais.

E começa a festa!!! Marcado para começar às 11:45, fui mais para o meio dia, pois sempre imagino que vai atrasar. Estava começando a encher de gente, transitável ainda. Mas em questão de minutos ficou bem cheio. E lá vem o dragão!

Spoon_AG_0049Fui direto para o meu alvo principal, a tradicional barraca de guioza, e por sorte estava no local onde sempre costumava ficar. Dei de cara com eles na chapa… Bati o olho e pensei, é esse mesmo, sem dúvida alguma! Nhamy…

Spoon_AG_0014E o balcão com vários molhos e o pepino para acompanhar!

Spoon_AG_0019Os meus acompanhamentos preferidos são o pepino e o molho com gergelin e misso, que coisa mais deliciosa…. para mim é o melhor que já comi (R$ 4,00)! E claro, perfeito do jeito que gosto, com o leve crocante por fora e massa macia e úmida. Obs: para mim guiza frito como pastel, em óleo abundante, não é guioza.

Spoon_AG_0020E depois ainda comi o nikuman de vegetais com curry (R$ 5,00). Tava muito bom também, mas obviamente não supera o guioza. A massa, tava boa demais!

Spoon_AG_0023E uma coisa que me fascina nesses eventos ao ar livre é exatamente ver essas pessoas preparando a comida, para mim faz toda a diferença na experiência como um todo. O carinha à direita preparando a massa, cortando e abrindo, e no fundo uma moça oriental que fazia os guizas com uma delicadeza e habilidade que eu não cansava de olhar. O chapeiro do guioza também, muito habilidoso e organizado.

Spoon_AG_0017 Na outra barraca o que parecia um okonomiyaki. Meu, que zona, mas ele se virava lá, hehe.Spoon_AG_0024Ah o takoyaki! Adoro ver esse pessoal preparando, é muito divertido como eles rolam as bolinhas com polvo rapidinho, sem fazer bagunça, rsrs. Gosto muito de takoyaki, mas como já tinha comido muito e queria uma sobremesa, me segurei.

Spoon_AG_0028Na barraca do sushi, o tiozinho no fundo, solitário e concentrado.

Spoon_AG_0027Tinha até sorvete de gengibre (R$ 3,00). Tive que experimentar, ainda mais nesse calor! Tava gostoso… na verdade eu esperava um sabor um pouco mais requintado, ficou mais puxado para caramelado, mas deixava o gotinho gostoso de bala de gengibre no final.

Spoon_AG_0043E a sobremesa mesmo que eu queria comer já a algum tempo, o imagawayaki, com recheio de pasta de azuki doce (R$ 3,00).

Spoon_AG_0029Tinha barracas de comida tanto na praça, que são os tradicionais dos fins de semana, e na ponte da R.Galvão Bueno. Achei que as comidinhas da praça estavam bem melhor feitas, os cozinheiros eram bem mais habilidosos, talvez pelo tempo experiência nesse ponto.

Além dos comes, a feirinha de artesanato tradicional na Praça da Liberdade, e na ponte barracas de bijuterias, roupas e até de Anime.

Spoon_AG_0044Uma coisa boa é que as ruas foram interditadas e as lojas estavam abertas. Assim, quando sentia muito calor entrava nas lojas com ar condicionado, heheh. A fila enorme nem me incomodava, neste caso, kkk. Apesar de bem cheio, senti uma vibe muito diferente do evento Chefs na Rua, ninguém me incomodando, uma energia gostosa, pessoas impressionadas com as comidas diferentes e suas formas de serem preparadas, enfim, pelo menos eu senti isso. E olhe que caminhei muito, só para não ver se não era apenas uma impressão de poucos minutos. Saí de lá era umas 15 horas.

Adorei a minha primeira experiência nesse evento!

 

Conhecendo culturas através dos mercados

Um dos atrativos imperdíveis em qualquer lugar que se vá, para mim, são os mercados. Nesses lugares é possível conhecer um pouco sobre a cultura local além de poder experimentar várias delícias, conhecer novos sabores, porque não?

O Mercado Municipal de São Paulo, tem a cara de São Paulo, com produtos de todas as partes do mundo. Um passeio não só para turistas de fora, mas também para os que moram na cidade.

Spoon Experiências GastronômicasÉ tanta variedade que muitas vezes fico tonta e acabo me esquecendo de comprar várias coisas. Foco neste local, definitivamente é algo bem complicado, rsrs.

Spoon Experiências GastronômicasParticularmente não sou muito fã do pastel de bacalhau que para mim é muito seco e salgado, e o famoso pão com mortadela, que para mim vem mortadela demais. Mas o sanduíche de filé mignon do Hocca Bar, no térreo, é de comer de joelhos!!

Spoon Experiências GastronômicasNo Japão, o que mais me chamou a atenção foi o mercado de peixes, impressionate a variedade, e tudo muito fresquinho. Nesses locais ainda existem praças de alimentação onde podemos degustar os peixes frescos. O melhor é a cumbuca com arroz de sushi e em cima escolhemos os frutos do mar crus de nossa poreferência. Inesquecível! Esse mercado era em Hokkaido.

JP_Mai2004_026Mesmo tento o hábito de comer comida japonesa desde pequena, nas feiras a gente encontra muita coisa inusitada. Mercado em Kyoto.

Spoon Experiências GastronômicasFalando em frutos do mar, Santiago, Chile também era bem interessante, com um monte de nomes que não fazia idéia do que poderia ser. Bem, por ser japonesa, tive que aguentar os vendedores  empurrando ouriço do mar, uma iguaria muito apreciada pelos japoneses, mas eu ainda não aprendi a apreciar…rs…

PBC.2003_022E o merdado de Santiago era simplesmente um charme.

PBC.2003_019Em La Paz, Bolívia, o famoso Mercado das Bruxas – estatuetas, fetos de lhama, coisas que não consegui identificar…

PBC.2003_001Poções para amor, dinheiro, força, importência, “remédios” e mais ervas…

PBC.2003_002No Peru a Feira de Pisac no Vale Sagrado. Milhos coloridos que nunca tinha visto…

PBC.2003_009Frutas da região…

PBC.2003_010Temperos… Lindo demais esses coloridos, um encanto!

PBC.2003_011Na feira ao ar livre em Puno, grande variedade de batatas. Tomei uma sopa que vinha com batatas pretas, muito bizarro. Claro que perguntei primeiro se tinha pedaço de algum bixo dentro da sopa, hehe, mas era vegetariano!

PBC.2003_015Enfim, independentemente, se é um mercado charmoso como o Mercado Municipal de São Paulo ou o mercado de Santiago, simples como as do Peru ou Bolívia, ou mercados urbanos como o Whole Foods dos EUA, que amo, é uma forma muito divertida e gostosa de conhecer as diversas culturas! Costumo dizer que mesmo cidades no meio do nada, o fato de ver um mercado quase sem produtos, ou de má qualidade, é interessante, pois reflete a realidade local.