Arquivo da tag: experi~encia

Recebendo Experiências Gastronômicas em Casa

Olha só que interessante estas propostas de Experiências Gastronômicas na sua casa!

Taste Club

O Taste Club tem a proposta de surpreender os associados com produtos gourmet oriundos das diversas regiões do Brasil e do exterior. Os produtos das caixas do Taste Club vão desde doces, geléias artesanais e chocolates gourmet, até biscoitos, massas, azeites, vinagres e temperos. Tudo escolhido com o bom gosto e a qualidade que os amantes da gastronomia exigem. É feita uma assinatura para receber estas caixas.

Infelizmente não consegui mais informações, pois o website está em manutenção e os últimos pots no Facebook são do final do ano passado.

E existem também as experiências mais interativas, que particularmente achei mais interessante, mesmo porque para apenas comprar produtos, gosto muito de visitar lojas e mercados e interagir com as prateleiras e vendedores.

No Gulala você compra créditos para trocar pelas receitas deles. Cada semana são disponibilizadas novas receitas para escolher e montar o cardápio, utilizando os créditos. Você recebe o kit na sua casa, uma caixa com todos ingredientes frescos e porcionados, mais uma cartilha de receita didática.

Cada crédito vale uma refeição para duas pessoas e custa R$ 59,90, o que equivale a R$ 29,95 por pessoa. E o preço cai um pouco dependendo da quantidade de créditos comprados.

Os chefs são: Chef Renata Vanzetto (Revelação Guia Quatro Rodas e criadora do premiado Marakuthai); Chef William Ribeiro (Revelação Veja Comer & Beber 2011); Chef Mariana Valentini (Apresentadora da Cozinha Caseira do Bem Simples/FOX); e Chef Fabio Lazzarini (Chef-executivo do Varanbda Grill).

O website é bem bacana e fácil de navegar. As receitas são variadas e gostei muito da apresentação didática das informações. Além disso, este tipo de serviço pode ser de grande ajuda para aqueles que não conseguem ser muito organizados na elaboração e compra de ingredientes para o menu da semana.

E por fim, les Gourmands Club vem com a proposta conhecer e degustar vinhos e pratos. A idéia é de aprender a prepará-los, conhecer a sua história, a cultura de determinada região, aprofundar conhecimento de ingredientes diferenciados, ampliar sua visão sobre a gastronomia.

“Mensalmente D. Paola Tedeschi e Chef Marco Paulo Pelluso, grandes conhecedores de gastronomia, enologia e cultura geral, desenvolverão experiências em torno de um tema predominantemente regional, mas que também pode ser diverso como um ingrediente ou filme.

Cada tema terá a duração de três meses. Para exemplificar,da Itália vamos a Toscana, Piemonte e Puglia. Enviaremos uma caixa com vinhos e ingredientes selecionados, de ótima qualidade, para 4 pessoas, além de orientação por receita, fotos e dicas de preparo. Além disso, teremos conteúdo, história, curiosidades e sugestão de músicas para serem ouvidas durante toda experiência, desde seu preparo.”

Em relação a valores:

  • Experiências mensais para 4 pessoas, com 2 vinhos que harmonizam individualmente com os pratos propostos: R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais) mensais.
  • Experiências para casal, com 1 vinho que melhor harmoniza com todo menu proposto: R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais) mensais.

Segundo Fernanda Xavier, co-fundadora e CEO da empresa “É uma tendência nos grandes centros urbanos e, em especial, em São Paulo, pessoas receberem amigos em casa como uma opção real a sair para restaurantes. Nossa proposta é propiciar, com muito conteúdo e produtos super selecionados, uma nova forma de diversão dentro de casa.” (Diego Remus, editor-chef e sócio-diretor do Startupi.com.br)

Meu primeiro macarrão

Aproveitando o gancho de ter ganhado a máquina de fazer macarrão, deixo aqui o relato da minha primeira experiência na preparação de macarrão.

Bem, abrir a massa não foi muito problema, mas sim o como secar… Pensei, pensei, pensei… e aí resolvi dar uma de MacGyver. Esterilizei um cabo de vassoura plastificada e amarrei as pontas com barbante e fizei nos penduradores do armário da cozinha. Bizzaro? Veja aí:

COOK.2012.01_018É a típica situação “quem não tem cão caça com gato”, kkkkk. E olha que a massa ficou fininha:

COOK.2012.01_024E depois, o corte:

COOK.2012.01_025Até que ficaram uniformes, vai.

COOK.2012.01_048E olha só os macarrões em ninhos, que bonitinhos! E todo o processo foi bem divertido, ainda mais com o desafio Mac Gyver no meio, hehe.

COOK.2012.01_053E claro, preparei um de meus pratos preferidos, Fettuccine alla Carbonara!!! E que delícia que estava…hmmmmmmm…..

COOK.2012.01_075E agora com a maquininha, ninguém me segura!! hihi

Teste da Semolina 3 – Bagel

Bem, este é o último teste com semolina, pelo menos até conseguir mais, rs – o Bagel! Fiz com três opções de cobertura – queijo parmesão, gergelim preto e gergelim branco.

COOK.2013.12_080

Da mesma forma que o pão de hamburguer / hot dog, substituí 20% da farinha de trigo pela semolina de trigo. Durante a preparação da massa, observei que cresceu bem e com muita facilidade. Mas o melhor foi na hora de juntar as pontas para formar a rosca. Sempre fiz este bagel, mas essa etapa era sempre penosa, porque não grudava direito e perdia muito tempo. Com semolina foi facinho, facinho. Já começo a ver vantagem em adicionar a semolina, hehe.

Saindo do forno, o que era de se esperar, massa mais macia! Adorei!!!

COOK.2013.12_074Ah, e fica a dica, se possível use o Silpat, o tapetinho de silicone para que os bagels não grudem e fiquem fáceis de sair. Como não tenho forma antiaderente, apanhei muito no começo. Com papel manteiga foi uma tragédia, o papel grudou de um jeito no pão que não saía por nada. Até usei a técnica de colocar em cima de superfície úmida por alguns segundos para o papel desgrudar, mas não deu muito certo. Um pouco até saía, mas o resto ou ficava grudado, ou acabava deixando a base do pão úmido demais. Com óleo funcionou um pouco mais, mas tem que untar bem mesmo, caso contrário 1/3 do pão vai ficar grudado na forma, desperdício e o incômodo de depois lavar a forma, hehe.

O Silpat aqui no Brasil ainda é um pouco caro, então se alguém estiver indo para os EUA, peça para trazer, já que é levinho, enrolável e cabe em qualquer canto!

E para quem quiser congelar, recomendo que corte ao meio antes de colocar no freezer. Assim, quando for comer, é só tirar do freezer e esquentar na torradeira, mesmo porque cortar congelado é bem complicado. Pode-se congelar inteiro, mas demora um pouco para esquentar a parte central.

Teste da Semolina 2 – Pão de Hamburguer

E vamos que vamos, segundo teste da semolina, agora com a receita do pão de hamburguer/hot dog! Substituí 20% da farinha de trigo pela semolina, e realmente fez diferença, ficou mais fofinho!

Aproveitando a idéia de uma amiga de colocar ervas nestes pães, resolvi incrementar também. Comecei acrescentando orégano em uma das porções de massa. Daí pensei, ah, proque não colocar vários temperos na mesma massa? Então misturei alho frito, pimenta calabresa, pimenta do reino, orégano e parmesão ralado. Meu deus, e o cheiro disso assando, infestando a casa??? Mesmo depois de ter almoçado, fiquei louca para comer. E olha, estava maravilhoso!!! Recomendo.

Os pães com sabores diferentes. Não coloquei o pão de hamburguer na foto, porque a aparência é a mesma da que está receita, assim achei meio repetitivo, rs. Bem, pelas cores nem precisa falar qual é qual, né…rs

COOK.2013.12_057Agora de ladinho… O pão com mais temperos ainda testei fazer um enroladinho. Abri com o rolo e depois enrolei, bem simples.

COOK.2013.12_058E internamente também ficou lindo, e fofinho!

COOK.2013.12_061E uma surpresa na sessão de fotos… olha quem tá de olho nos pães…. chegando de mansinho… huahuahua

COOK.2013.12_062

Congelamento de Ervas – parte 2

Bem, resolvi então testar o congelamento, deixando uma tarde murchando a erva, para que perdesse parte da água, como sugerido. Escolhi a hortelã e o manjericão para o teste e fiz dois tipos, com folhas murchas e folhas frescas, inteiras e picadas. O congelamento em si foi bom, somente escurencendo um pouco no caso das ervas picadas, em ambos os casos, murchos e frescos (metade da esquerda eram murchos e metade da direita frescos. Na figura 1, é possível ver que até saíram bonitinhas do freezer. Mas em questão de segundos foi escurecendo, foi muito rápido mesmo (Figuras 2 e 3). A hortelã parece que sofreu menos que o manjericão de forma geral (Figura 4 é a hortelã e Figura 5 o manjericão). Na Figura 6 o estado da folha de manjericão, o famoso pretejado.

Spoon_TC_0019Fui pesquisar mais um pouco… Segundo McGee, embora a temperatura de congelamento em geral reduza a atividade enzimática e todas as demais atividades químicas, certas reações, são ao contrário, intensificadas pela concentração induzida pela formação de gelo. Uma dessas é a decomposição de vitaminas e pigmentos por obra das enzimas. Então, na sequência o livro falava do branqueamento, vulgo mergulhar em água fervente por 1 ou 2 minutos, esfriar, secar e congelar, para minimizar esse problema. Então resolvi tentar.

Na Figura um fervi por 1 minuto, mesmo porque as folhas são muito pequenas, achei que mais tempo iria estragá-las. Esfriei e sequei rapidamente (Figura 2) e congelei imediatamente. A Figura 3 é antes de entrar no freezer. Após o congelamento sairam bonitinhos e crocantes (Figura 4). Deixei alguns minutos ao ar livre e continuaram bonitos (Figura 5), reparem que não escureceram. E por fim, deixei aproximadamente 4 horas ao ar livre e murcharam, mas continuaram relativamente verdes! Não é legal??? hehehe

Spoon_TC_0032Moral da história, se for congelar as ervas frescas que escurecem com maior facilidade, parece que é melhor secar bem e retirar do congelador apenas na hora de utilizar, e usar somente para cozinhar, não para decorar pratos. Se for branquear, acho que dá para utilizar até na decoração, mas dá muito mais trabalho na preparação. Mas o melhor mesmo é ter um vasinho em casa, se possível, ou otimizar receitas na semana que utilizem a erva.