Arquivo da tag: culinária]

Os pontos baixos do tour gastronômico em Portugal

Pois é, nem tudo são flores numa viagem, não é mesmo? Seja por falta de tempo, dificuldade de deslocamento, falta de conhecimento, ou por puro azar, acabamos entrando em algumas frias de vez em quando. Aqui vão alguns relatos de bolas foras da minha viagem.

1) Cervejaria Real Fábrica
Próximo ao Metro Rato em Lisboa, parecia ser um local bem bacana por fora e o fato de ser uma cervejaria foi um atrativo a mais. A decoração é bem agradável e temática, mas o atendimento deixa muito a desejar, lento e sem simpatia. O tratamento a nós turistas é ainda pior, tentando empurrar produtos para aumentar o preço da conta total.
pt-es_2016_0418
O couvert é praticamente empurrado, pães velhos torrados e esse patê meio “tudão” (um pouco de tudo que sobrou). Pelo menos a cerveja estava boa.
pt-es_2016_0419
Prato principal, o tradicional Polvo a Lagareiro. O polvo veio macio, mas com excesso de alho fresco, batatas mal assadas e sem graças, e a vagem, por deus, uma papa intragável.
pt-es_2016_0421

2) Restaurante Santo Antão, Bairro do Rossio, Lisboa
Um dos erros clássicos de viagem, entrar em um “restaurante para turistas”. Resolvi entrar de cabeça dura mesmo, talvez para ter certeza de que a minha teoria não falha, hahaha.
Pedi um risoto de frutos do mar e veio essa gororoba de arroz mole com muitos blocos de arroz velho no meio. O tempero era tosco, um molho que parecia de caixinha, lembra até aquela comida que se faz na época da faculdade, tipo salsicha com molho de tomate. Frutos do mar? Só isso que dá para ver, além de conchas grandes que parecem ter sido jogados para enganar. O prato chega espantosamente rápido, diria que chega mais rápido que o hamburguer do Mc Donalds.
Para completar o desgosto, uma panela que parece mais a de cozinha, toda amassada, não daqueles de se apresentar para clientes.
pt-es_2016_0534
Bem, fiz o que pude para ficar minimamente apresentável e tentar comer um pouco. Sim, um pouco, porque estava absolutamente intragável. Outro sinal de que estava no lugar errado, é ter muitos turistas que pedem pizzas e coisas do gênero com catchup, hahaha. O atendimento é muito rápido, mas se termina o prato, chegam correndo para retirar e empurrar uma sobremesa. Não aceitando a sobremesa empurram o café, mesmo sem ter terminado o vinho. Uma venda bem agressiva, um horror.
pt-es_2016_0535

3) Cervejaria Portugália em Setúbal
Mais uma roubada em cervejaria, pena. A cerveja estava ok, a  paisagem muito agradável, mas o Recheio de Carangueijo Sapateira estava bem mais ou menos. Parecia um patê feito com carangueijo cozido demais e congelado, ou mesmo enlatado. A carne no carangueijo era seco que só. O atendimento é bem lento e tentam dar uma de “joão sem braço” para não dar troco.pt-es_2016_0639

4) Comidinha de Estação de Trem
É, não dá para exigir muito desses lugares, um sanduíche de frango empanado frio, é o que tinha de aparentemente mais confiável, rs.
pt-es_2016_0655

5) Rodoviária de Évora
Sabe quando o seu ônibus ainda irá demorar e você quer tomar um lanchinho antes da viagem, pois é, muitas vezes me arrependo. Um doce supostamente folhado com recheio de creme de amêndoas. Fresco? hahahah, quem me dera…
pt-es_2016_1033
Pois é, roubadas também fazem parte das nossas viagens, hehe. Pelo menos somam histórias para contar!

Anúncios

Feliz Ano Novo! Que venha mais um ano maravilhoso!

Sim, tenho uma série de assuntos para postar, mas hoje quero dedicar o meu primeiro post de 2016 aos meus amigos que fazem parte dessa minha nova jornada na vida. São algumas das pessoas que me inspiram, que mesmo trabalhando em outra área, me faziam manter a “chama” da cozinha acesa. E vamos ao túnel do tempo, claro, não tão longe também, para não cansar, rs.
Lá no outro lado do mundo, vida de “peão” no Japão. Apesar das intermináveis horas de trabalho, ainda sobrava um pouco de tempo para conhecer restaurantes ou cozinhar com a trupe de brasileiros que estava lá como dekaseguis, assim como eu.
IMG_0038 Ah, as famosas “sushizadas” em casa, também as “macarronadas”, “pizzadas”, “hamburgadas”… A tensão de conseguir preparar tudo a tempo sem que nada faltasse logo se transformava em pura diversão quando chegavam os amigos!
IMG_0035Antigos amigos, eternos amigos, que somem, mas sempre reaparecem.
IMG_0047Morando no interior para estudar, apesar das muitas noites varadas, dedicava uma parte das minhas preciosas horas para cozinhar e curtir com os amigos, afinal de contas, a experiência culinária não é completa sem um contexto, sem um palco e uma história. Uma das coisas que mais me marcou foi uma pessoa que vim a conhecer mais tarde, já de volta a São Paulo. Me conhecia indiretamente por muffins que eu assava e vizinhos vinham me “assaltar”, kkk. Ela era uma das pessoas que havia experimentado.  Gostou tanto que logo me relacionou com o doce quando nos conhecemos.
IMG_0036Trabalhar na área ambiental era, digamos, rústico, ou bruto, rs. Mas não deixava de ter seus encantos e aprendizados. Organizar a alimentação nessas condições não é das tarefas mais fáceis. Vários utensílios e materiais pesados significavam sofrimento nas longas caminhadas. Talvez tenha sido onde primeiro tive que pensar tanto na logística de alimentação, na quantidade dos ingredientes, na preparação, e porque não do prazer de ter algo gostoso mesmo em locais isolados.
Alguns lugares ainda possibilitavam o contato com comunidades locais que produziam deliciosos queijos e mel. Outras vezes, os rapazes que nos guiavam pescavam e preparavam iguarias como o famoso Azul Marinho. As vezes penso que fui muito privilegiada em termos de experiências com comida, mesmo em ambientes tão hostis.
IMG_0037O primeiro passo para a decisão de uma grande mudança, o curso de Técnicas Básicas de Gastronomia, com meu professor querido, Marcelo Angele. Sou muito grata a toda a sua generosidade, passando tantos detalhes da cozinha que hoje me são tão úteis. Sábio daquele que soube aproveitar o curso…
IMG_0032Me encontrar de vez nessa família não tem preço. Nesse mundo acabamos conhecendo muita gente, é um entra e sai constante. Dias de alegria, dias de tristeza, dias de aprendizados, mas assim é a vida, não? O importante é que, o que faz e onde está faça sentido naquele momento.
IMG_0030Reencontrar velhos amigos, perceber que tudo tem a sua hora, que muitas vezes precisamos nos distanciar por um tempo para outros aprendizados. Fazer novos amigos que surpreendem com um coração gigante, quase que simultaneamente. Nada é coincidência!
IMG_0044Compartilhar a alegria com quem amamos, com muita comida gostosa e maravilhosos sakes!
IMG_0043Se dar conta que pela primeira vez na vida recebo tanto apoio dos amigos nessa minha nova profissão. A cada visita, sinto o quanto estou no lugar certo. E olha que vem gente de longe! hehe. Quanta honra.
IMG_0034Amigos e amigas de todos os cantos, das mais diferentes áreas, que me incentivam, me motivam, me ensinam…IMG_0049E a turma vai ficando grande, prontos para invadir qualquer lugar que ameace servir algo gostoso, kkk.
IMG_0040Encontrar super amigas que complementam a sua área não tem preço. Tem até uma japa loura no meio! kkk.
IMG_0046Sou extremamente grata a todos os meus amigos pela imensa felicidade que sinto hoje, e desejo a todos um maravilhoso 2016!
Se um dia achei que a comida unia as pessoas, hoje tenho certeza de que não só a comida em si, mas a bebida e toda a experiência que gira em torno desse ritual conectam as pessoas.
IMG_0048