Arquivo mensal: janeiro 2017

Cartuxa – Fundação Eugénio de Almeida

Aproveitei o meu dia em Évora para tentar conhecer a Adega Cartuxa, que fica a 2 km do centro histórico. Era domingo, muita coisa estava fechada e as ruelas sem muito movimento de pessoas e veículos. Como não sabia exatamente o dia que conseguiria ir a Évora, não havia agendado a visita na Cartuxa. Não havia muito o que fazer no centro histórico então resolvi tentar a sorte.
A Quinta de Valbom não fica muito longe a pé, mas no calor e secura do verão, é uma caminhada um pouco sofrida, confesso. Na volta tive a sorte de conseguir carona até a rodoviária.
A área de visitação, o Enoturismo Cartuxa, está instalado na antiga casa de repouso dos Jesuítas que lecionavam na Universidade de Évora nos séculos XVI e XVII. Após a expulsão dos jesuítas por ordem do Marquês de Pombal, a propriedade passou para o Estado, passando anos mais tarde a produzir vinhos.
A Adega Cartuxa foi adquirida no século XIX pela família Eugénio de Almeida e além de produzir os vinhos possui a missão de ajudar no desenvolvimento social, cultural e educativo da região.
pt-es_2016_1011
Tive a sorte de ter uma desistência de última hora, conseguindo participar da visita com degustação. Aqui a nossa guia Cristina explicando um pouco do processo de estágio dos vinhos, onde ficam dentro dos barris de madeira envelhecendo e ganhando aromas.
pt-es_2016_1013
Na sala de degustação no final do passeio.
pt-es_2016_1021
A Cartuxa também produz azeites e a degustação começou com eles:
Álamos – ideal para servir em entradas ou utilizar na cozinha.
EA – ideal para finalizar pratos quentes.
Cartuxa – ideal para pratos frios, saladas e massas frias.
pt-es_2016_1023
Os vinhos que experimentamos:
Cartuxa Branca 2015 – feito com as uvas Antão Vaz, Roupeiro e Arinto. Fresco, levemente ácido, seco e frutado. Este vinho não passa por estágio em madeira.
EA Tinto Reserva 2014 – passa 6 meses em barril de carvalho americano, aromas de frutas vermelhas, tanino suave e boa persistência.
Floral de Évora 2013 – feito com as uvas Aragonez, Alicante Bouschet e Trincadeira, passa 6 meses em barril de carvalho francês, possui aroma amadeirado, frutas vermelhas e cravo.
O famoso Pera Manca não é disponibilizado para degustação. É um vinho especial que não é produzido todos os anos, quando não se atinge a qualidade desejada da uva, este vinho não é produzido. Aqui só é possível comprar uma garrafa por visitante.
pt-es_2016_1025
Na saída, uma passagem rápida pela produção de uvas.
pt-es_2016_1032
Duas crianças que estavam na visitação me viram experimentando as uvas e ficaram curiosos, chamei os meninos. Experimentaram e ficaram maravilhados com a doçura delas.
pt-es_2016_1031
Estando em Évora, é um passeio que vale a pena. Dizem que visitar a cidade no inverno é a melhor opção.
As visitas guiadas duram cerca de 1 hora e 30minutos e podem ser dos seguintes tipos:
EA – inclui visita à Adega e prova de 1 vinho selecionado pela Fundação Eugénio de Almeida. Preço: € 5.00 p/pessoa;
Cartuxa – inclui visita à Adega e uma prova de 3 vinhos selecionados pela Fundação Eugénio de Almeida. Preço: € 10.00 p/pessoa;
São Bruno – inclui visita à Adega e uma prova de 3 vinhos selecionados pelo cliente, de toda a gama da Fundação Eugénio de Almeida (exceto Pêra-Manca Tinto). Preço: € 20.00 p/pessoa;
Sto. Inácio de Loyola – inclui visita à Adega e uma prova de 5 vinhos selecionados pelo cliente, de toda a gama da Fundação Eugénio de Almeida (exceto Pêra-Manca Tinto). Preço: € 30.00 p/pessoa.

Restaurante Guião em Évora

Já de volta a Lisboa no finalzinho da viagem por Portugal, fui conhecer Évora, na parte mais interiorana e quente de Portugal. De Lisboa é possível ir de trem ou ônibus, mas como os horários de trem eram pouco flexíveis, resolvi ir de ônibus. A  viagem é bem confortável e a paisagem bem interessante, passando por regiões com produção de cortiça.
Voltando da famosa Capela dos Ossos, encontrei esse restaurante pequeno e aconchegante.
pt-es_2016_0934
Por sorte cheguei às 12:30 e havia ainda 2 mesas disponíveis, o restante estava ocupado ou reservado.
pt-es_2016_0991
Aqui um pouco da decoração da casa.
pt-es_2016_0992
Perguntei se havia as famosas bochechas de porco preto, uma das iguarias da região, e por sorte era um dos pratos que o garçom indicava aos clientes.
Para combinar com o meu prato principal, pedi uma sugestão e veio o vinho tinto Reguengos 2014 da região do Alentejo. Dizem que nos vinhos do Alentejo sente-se menos tanino e são menos complexos. Este tinha aroma de frutas vermelhas com tanino suave.
pt-es_2016_0994
De entrada, azeitonas e polvo com alho e azeite. O polvo estava meio estranho, algumas partes duras e outras aguadas como se tivesse acabado de descongelar. Pena.
pt-es_2016_0997
Depois de quase meia hora a casa estava completamente cheia e qualquer pessoa que chegava à porta era dispensada, sem a existência de lista de espera. Quem quiser tentar a sorte pode ficar esperando, mas os funcionários avisam que não há como prever quando ou se terá mesas disponíveis. Mais uma vez fico tranquila e não me sinto pressionada a comer logo por conta de filas de espera, muito bom.
Agora sim, o meu prato tão esperado, as Bochechas de Porco Preto Assadas no Forno!
pt-es_2016_1000
A bochecha estava espetacular, bem macia, desmanchando na boca e pouco gordurosa. Essa carne é primeiro cozida e depois assada e vem com um molho delicioso. A carne tem um pouco de cheiro, mas o sabor é muito agradável.
pt-es_2016_1001
A carne ainda vem acompanhada de batatas perfeitamente fritas e um purê verde, que tem sabor de espinafre com alho e azeite.
pt-es_2016_1003
O restaurante é bem aconchegante e fica bem localizado, próximo de pontos de interesse para visitação.

Restaurante Guião
Facebook: https://www.facebook.com/Restaurante-T%C3%ADpico-Gui%C3%A3o-278837868964240/
Endereço: R. da República 81, 7000 Évora, Portugal.
Telefone: +351 266 703 071.

Restaurante O Gaveto, um clássico famoso pelos pratos com frutos do mar

Localizado em Matosinhos, onde é possível chegar tranquilamente de transporte público saindo do centro de Porto, o Restaurante O Gaveto também foi uma das indicações espetaculares que recebi.
pt-es_2016_0865
Ao entrar no estabelecimento, a primeira surpresa são os enormes tanques com lagostas e caranguejos.
pt-es_2016_0888

pt-es_2016_0889
Ao lado esquerdo um bar para quem quer ficar tomando cerveja e petiscando.
pt-es_2016_0887
Seguindo mais ao fundo as mesas em ambiente bem tradicional.
pt-es_2016_0866
Pedi sugestões de pratos bem típicos. Então o maître começou a me trazer pequenas porções para que eu pudesse experimentar várias coisas.
Primeiro o Percebes pela qual me apaixonei. A aparência é muito esquisita, parece até um alien. Logo me ensinou como se comia, e que delícia, você até esquece da aparência dele, hahaha.
pt-es_2016_0868
É bem simples, com os dedos puxa a pele da parte preta e se come o que está dentro. Como é cozido, a textura não causa estranhamento.
pt-es_2016_0869
Para acompanhar a refeição, um vinho branco Alvarinho 2015 feito para a casa.
pt-es_2016_0871
O pão estava divino, melhor ainda com azeite. Até pensei, não posso encher a barriga de pão, mas é difícil resistir.
pt-es_2016_0872
Sardinha pequena inteira a escabeche, maravilhoso o tempero e a textura dessa sardinha.
pt-es_2016_0873
Pastel de bacalhau, sinceramente o melhor que já comi até hoje em termos de sabor e textura. Muito bacalhau, e a fritura perfeita, bem sequinha e crocante, mantendo a parte interna bem cremosa. Aqui tive a certeza de que realmente gosto de bolinho de bacalhau, hahaha, meus traumas acabaram.
pt-es_2016_0876
Bacalhau Gomes de Sá um prato que se aproveita o rabo do peixe, misturado com batata cozida, ovo cozido, salsinha, cebola e azeite. Também muito bom.
pt-es_2016_0879
Linguado com batata e grelos, folha de uma espécie de nabo, com sabor muito delicado, que combina muito bem com o linguado que também tem sabor mais suave. Nem preciso dizer que estava perfeito, né, rs.
pt-es_2016_0881
Já não estava aguentando comer mais nada, quando insistiram que experimentasse a sobremesa especialidade da casa, o Pão de Ló de Alvara, acompanhado do Graham’s 20 Anos.
pt-es_2016_0885
Diferente de um pão de ló tradicional, por dentro é muito cremoso. A base é simples, vão ovos, farinha, leite, açúcar, e o segredo é a temperatura do forno que não deixa cozinhar completamente o bolo.
pt-es_2016_0886
O atendimento da casa é muito cordial, e digno de um ótimo restaurante.

Restaurante O Gaveto
Website: http://www.ogaveto.com/
Facebook: https://www.facebook.com/restauranteogaveto/
Endereço: Rua Roberto Ivens, 826, 4450-249 Matosinhos, Portugal.
Telefone: (+351) 229 378 796.
Horário de funcionamento: todos os dias das 12:00 às 01:30.

Restaurante Toupeirinho em Matosinhos

Realmente se come muito bem em Matosinhos, especialmente os pratos com peixes e frutos do mar. Fui visitar mais uma indicação, o Restaurante Toupeirinho. É interessante caminhar pela região onde se encontra este restaurante, nas calçadas vários “puxadinhos” de restaurantes com churrasqueiras onde se preparam peixes e frutos do mar, com destaque para a sardinha.

Já no Restaurante Topeirinho pedi o vinho verde Muralhas de Monção 2014, bem refrescante e ótimo para o verão.
pt-es_2016_0910
De entrada, pedi um punhado de Percebes cozidos porque queria aproveitar a chance, sabia que voltando ao Brasil não teria acesso.
pt-es_2016_0912
Aceitei também a sugestão da Navalheira, carangueijo do tamanho de siri. Com sabor intenso, estava suculento e saboroso.
pt-es_2016_0908
De prato principal pedi Garoupa grelhada com batatas ao murro e salteado de verduras. Mais uma vez a valorização da matéria prima com preparações simples, o peixe grelhado apenas com sal estava maravilhoso.
pt-es_2016_0915

pt-es_2016_0916
Durante o almoço foi interessante ver o dono trabalhando, corrigindo os funcionários o tempo todo com certa seriedade. É bacana ver um proprietário que se importa com o bom atendimento e serviço.

Restaurante Topeirinho
Website: http://toupeirinho.pt/
Facebook: https://www.facebook.com/toupeirinho/?rf=228298810536929
Endereço: Rua do Godinho, 27, Matosinhos, Portugal.
Telefone: +351 22 938 7016.
Horário de funcionamento: Seg à Sáb das 12h às 15:30 e 19h às 0h.

Visitando a Quinta do Bonfim na Região do Douro

Depois de conhecer onde os vinhos são envelhecidos, nada como conhecer a origem de tudo na Região do Douro, uma das regiões produtoras de uvas mais antigas e com maior quantidade de regras no mundo. A Quinta do Bonfim está localizado no coração do Alto Douro, a cinco minutos de caminhada da estação de trem de Pinhão.
A família Symington é proprietária de 27 quintas (vinhedos) na região do Alto Douro que produzem uvas para as suas marcas Graham’s, Cockburn’s, Dow’s, Warre’s e Quinta do Vesúvio.
pt-es_2016_0847
Na área de visitação, já na sala de recepção, existe uma pequena exposição contando um pouco sobre a história de produção de vinhos na região do Douro. Aqui a maquete de um barco que costumava transportar os barris de vinho até a Vila Nova de Gaia no Porto. Era uma aventura por conta das fortes correntezas do rio Douro neste trecho.
pt-es_2016_0845
A Quinta do Bonfim  possui 76.9 ha que contribuem para a produção de vinhos do porto Dow’s. Nessa região com declividades que chegam a mais de 30% e temperaturas variam de -2°C a 42°C, a colheita é feita manualmente, exatamente por conta dos terrenos inclinados.
pt-es_2016_0854
As videiras estavam carregadas e maduras, pois estávamos próximo da época de colheita. Uma delícia, super doce! Quem sabe um dia ainda participo de uma colheita.
pt-es_2016_0851
A família Symington até hoje produz vinho à moda antiga com pisa humana, como é o caso do vinho Quinta do Vesúvio, mais um motivo pela qual escolhi para comprar e guardar por um tempo, quem sabe os 10 anos sugeridos, hehe. A imprecisão do método humano dá um certo charme e aumenta a curiosidade no resultado final, que é uma surpresa.
Lembrando que parte da prensa é feita de forma mecânica, com robôs imitando o pisoteio, para dar conta da produção. É muito interessante porque a minha tendência é de acreditar que a produção manual é melhor, mas a máquina, segundo o João que me apresentou a Quinta, permite o melhor controle, tornando o produto mais perfeito, e sendo possível prever melhor o resultado final.
No Alto Douro, a família Symington possui duas importantes vinícolas, a Quinta do Sol em Régua e na Quinta do Bomfim em Pinhão. Aqui o local onde as uvas são prensadas.
pt-es_2016_0848
Durante o processo de produção no Douro, ocorre a mistura de vinhos da região com os que estão em Vila Nova de Gaia. Os vinhos de Vila Nova de Gaia possuem mais aromas  e a mistura permite a evolução mais rápida dos vinhos.
Nas pipas e barris ocorre a oxidação e em até 40 anos os vinhos vão clareando e depois desse período vão escurecendo. É interessante que durante o tempo em pipas e barris, o volume líquido vai diminuindo, em 25 anos perdem 35% do volume, e em 50 anos 60%. Em 100 anos o produto fica denso e meloso.
pt-es_2016_0860
Para fechar a visitação, a degustação de alguns vinhos.
1. Altano Branco 2015 – vinho branco seco, fresco, floral, frutado (frutas tropicais amarelas). Harmoiniza bem com peixes, mariscos, aperitivos e saladas frias.
2. Post Scriptum 2014 – vinho tinto com aromas de frutas negras do bosque, ameixas pretas e tanino elegante. Harmoniza bem com carnes brancas e peixes do mar.
3. Quinta do Vesúvio 2012 – vinho tinto, aroma de frutas silvestres e bergamoto, cheiro de baunilha intenso, toque mineral, envelhecido em carvalho francês novo. Harmoniza bem com vitelo, cabrito, outras carne vermelha em geral e queijos fortes.
4. Dows LBV 2011 – vinho do porto considerado um dos melhores ano no Douro, tem aroma de frutas negras, cerejas, ameixas pretas, mirtillo, cacau amargo, e tem final seco, apimentado. Harmoniza bem com bolo de chocolate amargo, e queijos fortes como o Blue Cheese.
5. Dows 20 anos – vinho do porto, aroma de frutas secas, caramelo, só que muito mais suave e seco comparado à linha Graham’s, mas não tem a mesma intensidade. Harmoniza bem com pratos à base de ovos.
6. Vintage Dow’s Quinta do Bonfim 2005 – vinho do porto, não é de um ano clássico e tem capacidade de envelhecer mais uns 15 anos. Vem aroma de frutas vermelhas do bosque maduras, cassis, toque floral e final seco e apimentado.
7. Vintage 1985 Dows – vinho do porto com aroma de compotas, bem equilibrado, possui acidez, considerado um dos melhores da década de 1980. Harmoniza bem com chocolates negros, queijos  e pato assado.
pt-es_2016_0862
Pedi para que o João me explicasse um pouco sobre os vinhos do Douro. Segundo ele, vinhos do Douro são mais intensos e complexos e podem ter aceitação mais difícil no mercado. É interessante que os terrenos inclinados permitem a produção de maior complexidade de aromas e sabores. Já os vinhos do Alentejo, por exemplo, são mais adocicados, e pelo fato dos terrenos serem mais planos e a região mais quente, o vinho é mais uniforme.
Foi mais um dia de muitos aprendizados, pena que não consegui passar mais horas por conta do retorno de trem. Definitivamente vale a pena curtir mais tempo, degustando os vinhos com a bela vista do Rio Douro.
Para a visitação é necessário agendamento prévio.

Quinta do Bonfim
Website: https://www.symington.com/news/quinta-do-bomfim
Facebook: https://www.facebook.com/pages/Quinta-Do-Bomfim-Dows-Port/215931858485629?fref=ts
Endereço: Quinta do Bomfim, 5085-060 Pinhão, Alijó, Portugal.
Telefone: (+351) 254 730 370.
Horário de visitação:
– 1 de Abril a 31 de Outubro: todos os dias das 10:30 às 18h.
– 1 de Novembro a 31 de Março: das 9:30 às 17h.
– Fechados nas seguintes datas: 25 de Dezembro, 1 de Janeiro e dias 22 e 23 de Fevereiro para treinamento da equipe.

Restaurante Veladouro em Pinhão na região do Douro

Continuando a visitação à produtora Symington, fui visitar a região do Douro, onde é feita a produção e processamento das uvas. A viagem de trem Saindo de Porto (Estação São Bento) até Pinhão dura cerca de 2 horas a 2 horas e meia e custa 11 a 13, dependendo do horário. Em alta temporada os trens são bem cheios, portanto é legal chegar cedo na estação para poder viajar sentado e pegar o assento da janela para curtir a paisagem. Abaixo a estação de trem em Pinhão.
pt-es_2016_0831
Peguei o trem bem cedo para poder conhecer um pouco a região e almoçar antes de fazer a visitação. Pedi indicação ao pessoal da Quinta do Bonfim e assim fui almoçar no Restaurante Veladouro. Tudo dá para ser feito caminhando, da estação de trem até o restaurante e depois a Quinta do Bonfim. O restaurante fica no final de uma rua que margeia o rio Douro.
pt-es_2016_0837
A fachada é discreta e existem mesas tanto na área interna quanto externa. Como estava muito quente preferi ficar dentro mesmo.
pt-es_2016_0838
A sugestão principal foi o porco preto, assim fui direto a ele no cardápio. Secretos de Porco Preto ( 15). Temperado de forma simples com um tipo de vinagrete, a carne era muito saborosa, gorda e macia. A parte mais gordurosa chega a ser amanteigada. Para acompanhar, uma taça de vinho da casa.
pt-es_2016_0841

Restaurante Bar Veladouro
Facebook: https://www.facebook.com/BarRestauranteVeladouro/
Endereço: Rua da Praia, 3, 5085-042, Pinhão, Portugal.
Telefone: (351) 254-731-794.
Horário de funcionamento: todos os dias das 10h às 0h.

Visitando Graham’s em Vila Nova de Gaia

Este era um dos meus passeios mais esperados em Porto, visita à Graham’s.
Vila Nova de Gaia fica na margem oposta do Rio Douro em relação ao centro histórico de Porto, e é onde estão as famosas caves de Vinho do Porto.
Atravessando a ponte Dom Luis, nas proximidades da margem do Rio Douro estão as caves como Cálem, Ramos Pinto, Burmester, Churchill’s, Cockburn’s Port, Ferreira, Offley Forrester, Real CA Velha, Rozès, Sandeman, W & J Graham e Taylor’s.
A Graham’s fica bem no finalzinho da margem, ficando muito claro que quem vai até lá, vai intencionado.
Graham’s é, simplesmente, a melhor e mais reputada casa de Porto, na opinião de Robert Parker, Michael Broadbent, Clive Coates e da revista Wine Spectator, entre outros. Segundo o crítico Robert Parker, trata-se do “melhor produtor de Porto do pós-Guerra”. Campeã absoluta de medalhas de ouro acumuladas no International Wine Challenge. Prestígio e qualidade incomparáveis.
pt-es_2016_0751
Logo após a entrada de pedestres, pode-se ver o restaurante deles, o Vinum, onde jantarei mais tarde.
pt-es_2016_0752
Mais para frente a rua de acesso à área de visitação cheio de videiras.
pt-es_2016_0754
Aqui já na sala de exposição, onde os visitantes podem passear enquanto aguardam o guia.
pt-es_2016_0755
Um pouco dos artefatos utilizados non passado.
pt-es_2016_0756
Aqui o famoso Porto Graham’s Colheita 1952 lançado em meados de 2012 em homenagem ao Jubileu de Diamante da Rainha Elizabeth II. Uma colheita histórica, tornando-se num dos vinhos do Porto mais elogiados pela imprensa especializada internacional. Possui aroma de nozes, ameixa seca e mel, com notas de frutos secos e caramelo e frescor de fruta cítrica.
pt-es_2016_0758
A produção das uvas ocorre no Douro, mas o envelhecimento é feito em Vila Nova de Gaia, onde o clima é ideal para o envelhecimento dos vinhos. Interessante lembrar a Graham’s é responsável por 33% do  mercado mundial de vinhos do Porto Premium, um número considerável.
pt-es_2016_0765
Ainda na adega. É… pelo jeito meu ano de nascimento não foi um bom ano de vinhos, rs.
pt-es_2016_0773
A Sala de Degustação logo após a passagem pela adega
pt-es_2016_0780Mais para frente a imponente Sala Privativa Vintage, onde pude provar Portos inesquecíveis. Em ambiente aconchegante  e atmosfera silenciosa com condições de degustação profissional, pode-se provar os vinhos premiuns.
pt-es_2016_0787
Começando a degustação com as explicações da Diana a minha guia particular super simpática e divertida. Era vinho que não terminava mais.
pt-es_2016_0793
Começamos com os Rubis, jovens, que são envelhecidos em grandes tonéis de carvalho americano, e assim o vinho não tem muito contato com a madeira e possuem cor vermelho bem escuro. Abaixo o Six Grapes e o vintage Quinta dos Malvedos 2004.
Six Grapes ( 15,95) – pode-se sentir tanino, ameixa e frutas secas, harmonizando bem com chocolates escuros e bolo de frutas.
Quinta dos Malvedos 2004 ( 39) – com maturação em garrafa, pode-se sentir framboesa e tanino, porém mais suave, harmonizando bem com queijos fortes.
Os vintages não passam pelo processo de fintragem, portanto podem envelhecer ainda um tempo em garrafa. No começo os vintages vêm com uma explosão de frutos e é muito tânico. Com o envelhecimento vai ficando mais arredondado, mais suave e passa para frutas vermelhas mais secas. Os preços variam de acordo com as safras.
pt-es_2016_0798
Passando para os Tawnies que são envelhecidos em barris de pequeno porte em carvalho português ou francês, portanto com maior contato com a madeira. Os Tawnies possuem cores como âmbar e caramelo.
Tawny 10 anos ( 21,95) – aromas de frutas secas, figo, ameixa, bem fresco. Harmoniza bem com presunto e amêndoas salgadas.
Tawny 20 anos ( 39.95) – aromas de amêndoas e casca de laranja. Harmoniza bem com ovos e foie gras.
Tawny 30 anos ( 72) – aromas de frutas secas intensas e mel. Harmoniza bem com nozes.
Tawny 40 anos ( 120) – puxa mais para whisky, com aroma de madeira bem forte.
Graham’s 1982 ( 120) – aromas de frutas secas.
Quinta do Vesúvio 1996 ( 95) – feita 100% com pisa de pé, suave, com aromas de framboesa, amora e chocolate.
Warre’s 1980 ( 135) – possui final bem seco, é mais alcoólico e lembra whisky.

pt-es_2016_0800
Após a degustação mais do que especial, umas comprinhas já com a idéia do que gostaria de trazer para o Brasil.
pt-es_2016_0802
Comprei o Tawny 20 anos e 30 anos, que como são filtrados não envelhecem, isto é, se eu guardar a garrafa de 20 anos por 10 anos não passa a ser um Porto de 30 anos, continua sendo de 20 anos.
E para entrar mais no clima e me estimular a estudar mais sobre vinhos, comprei o Vintage Quinta do Vesuvio 2013, feita 100% com pisa de pé, para brincar de envelhecer em casa. Dizem que foi um ano bom e que seria interessante deixar envelhecer uns 10 anos. É sempre uma loteria, ainda mais por eu não ter condições ideiais de armazenamento, mas vale a intenção e a surpresa quando abrir, hehehe.
pt-es_2016_0806
Experimentei no total 9 vinhos do Porto muito especiais e no final fiquei apreciando um que gostei muito enquanto aguardava o jantar.
Impressiona a tecnologia envolvida na produção da Graham’s. A infraestrutura de visitação é muito elegante e organizada. Aqui a idéia não é de atender o turismo de massa, e geralmente as visitas são feitas com reservas. Por ser mais isolado em relação a outras caves à beira do Rio Douro, é mais raro aparecer turistas ao acaso.
pt-es_2016_0808
Após um descanso com a bela vista do Rio Douro, o jantar no Vinum Restaurant & Wine Bar. Começando com pão fresco e azeite fantástico da casa.
pt-es_2016_0809
Não poderia faltar o tradicional bacalhau, aqui fatiado bem fino com pasta de azeitonas e pimenta.
pt-es_2016_0810
Deliciosas alheiras feitas com carnes e aves com pimentões verdes e vermelhos. Defumado, crocante por fora e muito cremoso por dentro.
pt-es_2016_0813
Vinho branco Altano, bem frutado,cítrico, bem refrescante, perfeito para o calor do verão europeu.
E vinho tinto Pombal do Vesuvio 2014 com toque mineral e frutos maduros.
pt-es_2016_0814
Conforme entardecia, a paisagem se tornava ainda mais linda, e porque não, romântica!
pt-es_2016_0816
Prato principal, robalo assado com azeite, alho salsinha e pimenta, acompanhado de batatas. A textura estava impecável e a simplicidade do tempero ressalta a qualidade do produto.
pt-es_2016_0818
De sobremesa figos portugueses frescos com sorvete de nata. Eu adoro figos, mas até quem não gosta deveria experimentar os figos de Portugal, são outra coisa, de uma doçura e sabor inesquecíveis e viciantes.
pt-es_2016_0826
E claro, não podia faltar o Vinho do Porto Tawny 30 Anos, que vai muito bem com creme e castanhas.
pt-es_2016_0828
Esta foi uma das experiências mais especiais da minha vida. Agradeço de coração à toda a equipe da Graham’s / Symington por esse dia inesquecível!

Graham’s
Website: http://www.grahams-port.com/
Facebook: https://www.facebook.com/grahams.port.wine/
Endereço: Rua do Agro 150, 4400-281 Vila Nova de Gaia, Portugal.
Telefone: 351 223 776 484 / 485
Horário de visitação: todos os dias das 9:30 às17:30.

O serviço impecável da Taberna dos Mercadores

Localizado em uma ruela bem apertada, encontrei a Taberna dos Mercadores, indicada e reservada por um amigo meu. Como turista, acho que dificilmente iria parar em um lugar tão escondido. Quando cheguei a casa estava fechada ainda, e como não há muitas indicações de que é um restaurante como os estabelecimentos próximos, é fácil ficar na dúvida se está no lugar certo.
pt-es_2016_0722Começam a abrir as amplas janelas e é possível ver um salão bem enxuto, mas muito charmoso. Estão terminando as arrumações e todos do lado de fora começam a espiar curiosos e ansiosos.
A porta se abre e informam que podem entrar apenas aqueles que fizeram reserva. Um casal ainda insistiu dizendo que esperariam por uma mesa, e os garçons informam que não há previsão nem garantia de vaga. Aqui não fazem questão de segurar clientes, simplesmente informam que não há vaga e só com reserva. De certa forma gosto muito dessa posição, primeiramente porque o restaurante é bem pequeno, segundo porque com reserva consegue-se planejar melhor e terceiro porque não me sinto pressionada de sair logo, fico muito confortável de ficar o tempo que eu quiser até o fechamento da casa.
pt-es_2016_0728
Fiquei em uma mesa estratégica, entre a cozinha aberta e o salão, permitindo com que eu acompanhasse tudo bem de pertinho.
As janelas amplas permitem a entrada de muita luz natural indireta, deixando o ambiente do salão muito agradável. Tudo é muito aconchegante.
A cozinha aberta é bem minimalista, mas o suficiente para atender o salão completo. A parte superior das paredes são aproveitadas para guardar as garrafas de vinho que acabam virando parte da decoração.
pt-es_2016_0729
Para começar e seguindo as experimentações de vinhos verdes, um delicioso e refrescante vinho com notas de frutas amarelas e maçã, com acidez de limão siciliano no final.
pt-es_2016_0730
Couvert com pães variados e um azeite delicioso.
pt-es_2016_0731
Entrada, vinagrete de polvo que estava impecável, o polvo macio, os temperos equilibrados, além de ser perfeito para os dias de calor.
pt-es_2016_0732
Pedi a recomendação de um prato típico que eu não encontrasse em qualquer lugar. Este é  a Açorda de Marisco ( 17,50), que vai pão, azeite, frutos do mar, ovo cru e coentro, que vem em uma panela bem quente.
pt-es_2016_0736
O garçon mexe tudo como se fosse o Bibimbap koreano e serve. O sabo é extremamente equilibrado com a surpresa de sabores de frutos do mar a cada garfada. Tem coentro que não sou muito fã, mas nesse prato a quantidade estava ótima para mim. A porção individual é bem generosa.
pt-es_2016_0737
Já estava bem farta, mas porque não fechar com uma sobremesa? A perfeita combinação do vinho do Porto (afinal estamos em Porto, não é mesmo?) com doces à base de ovos. Esse doce era assado, feito com coco, ovos e amêndoas.
pt-es_2016_0739
Ainda insistiram que eu experimentasse o tradicional Pudim do Abade de Priscos, típico de Braga. Na receita vão ovos e vinho do Porto, realmente espetacular.
pt-es_2016_0742
Na cozinha onde trabalham dois funcionários, nesse dia estava pilotando o fogão um cozinheiro brasileiro  que mora em Portugal há 10 anos.
Como a cozinha é muito enxuta, não conseguem estocar muitos produtos, assim tudo costuma ser muito fresco.
pt-es_2016_0745
O serviço do salão é absolutamente impecável. Os garçons, que são muito simpáticos por sinal, fazem os pedidos, servem os vinhos, tiram as espinhas dos peixes, misturam os pratos como o meu, trazem os peixes para a cozinha, limpam as mesas, e tudo com muito primor. Realmente fiquei impressionada com a qualidade do serviço em uma taberna pequenina e escondida.
Aqui até brincaram que eu já estava pronta para trabalhar na equipe deles com a camisa combinando, hahahah.
pt-es_2016_0747
Muita gratidão pela belíssima experiência!
Este é um dos lugares marcantes que gostaria de voltar muitas vezes, pena que fica tão longe, rs.

Taberna dos Mercadores
Facebook: https://www.facebook.com/tabernamercadores/
Endereço: R. dos Mercadores 36, Porto, Portugal.
Telefone: (351) 22 201 0510.
Horário de funcionamento: Todos os dias das 12:30 às 23h.

Enfim Porto, começando com pé direito em A Casa Guedes

Marquei alguns lugares para conhecer por indicação de um legítimos portugueses que moram em São Paulo. A Casa Guedes era um deles.
Em tempos de super celulares, gps e tudo mais, aqui estou, com um mapa à moda antiga. Pois é, ocorreu um problema com meu celular que não aceitava os chips de lá. No entanto, foi até bom pois me fez resgatar um pouco das viagens que eu fazia de mochilão conhecendo vários países. Fez toda a diferença passear pelas cidades de forma “arcaica”, pois acabei prestando muito mais atenção em todos os detalhes da cidade, conhecendo e me comunicando com muito mais pessoas ao pedir informações.
Rá! Finalmente achei A Casa Guedes!
pt-es_2016_0661
Um dos principais personagens deste estabelecimento é o César que trabalha no balcão. Além de excelente cozinheiro, é quem dá a maior atenção aos clientes. É sempre inspirador conhecer pessoas tão apaixonadas pelo trabalho que faz, preparando pratos deliciosos e atendendo pessoas.
Seu César trabalha concentrado, quase sério, mas aí de repente solta um sorriso simpático e conta alguns causos da casa.
pt-es_2016_0662
A recomendação era de experimentar a dupla Sandes de Pernil com o espumante da casa. E claro, escolhi um lugar no balcão.
pt-es_2016_0663
O Sandes de Pernil com Queijo Serra da Estrela é o mais famoso na casa, uma maravilha! Pernil preparado com muito carinho e esse queijo bem cremoso. É delicioso acompanhar o preparo desse sanduíche, seu Guedes fatiando o pernil, junta uma porção, mergulha no próprio caldo e coloca no pão… Meu deus!!!
pt-es_2016_0665
Enquanto apreciava a experiência no balcão, conheci o advogado Luís, cliente da casa há muitos anos, que me fazia rir o tempo todo.
Seu César já na empolgação, sugeriu que experimentasse o Sandes (sanduíche) de Pernil com embutido de porco preto. Para ele, muito melhor do que a famosa versão com Queijo Serra da Estrela, hahahah. E não é que é fantástico? O mais divulgado é o Sandes de Pernil com Queijo Serra da Estrela, mas aconselho fortemente a experimentar esse com o embutido.
pt-es_2016_0669
Aqui o espumante da casa na versão rosé.
pt-es_2016_0670
Logo depois chegou mais um cliente da casa, o seu Mario, para fazer uma boquinha antes de ir assistir um jogo de futebol. Ele costuma sempre beber o vinho tinto da casa, não é fã de espumantes.
Já nós três na maior empolgação e rindo à toa no balcão, o seu Mario disse “vocês precisam experimentar o Sandes com Queijo Serra da Estrela com o vinho tinto, não tem combinação melhor!”. Nos ofereceu o sanduíche e o vinho. Eu já estava farta de tanta comida, mas não pude fazer desfeita, hehehe.
pt-es_2016_0671
Olha a cremosidade desse queijo, fora o sabor e a combinação perfeita com o delicioso pão da casa. Sim, realmente essa dupla estava maravilhosa!
pt-es_2016_0673
Segundo os frequentadores assíduos, eu dei sorte de chegar ao estabelecimento em um horário muito favorável, no meio da tarde, ainda com lugares para sentar. E realmente, no final da tarde a casa começou a encher, e pelo jeito de noite é o pior horário, com filas enormes para conseguir comprar um sandes. Para sentar então, dizem que é quase impossível. Fica a dica, se possível, visite a Casa Guedes no meio da tarde.

A Casa Guedes
Facebook: https://www.facebook.com/A-Casa-Guedes-118939868173940/
Endereço: Praça dos Poveiros 130, 4000-098 Porto, Portugal.
Telefone: (351) 22 200 2874.
Horário de funcionamento: Seg à Sáb das 8:30 às 22h.

Comendo muito bem em Setúbal

O dia em Setúbal não começou com pé direito, com o Mercado do Livramento que não impressionou muito. Mas depois o dia só foi melhorando. Saindo do mercado onde achei que passaria a manhã inteira, resolvi pegar o Ferry Boat para conhecer a península de Tróia e curtir as praias até o início dos serviços dos restaurantes.
pt-es_2016_0574
A ilha basicamente consiste em um resort / cassino. Quando atracamos a impressão é que a ilha é bem urbana.
pt-es_2016_0575
Passando prédios, começa a aparecer a parte natural da península. Uma trilha suspensa em madeira leva até as praias. Ao ver o mapa da ilha percebi que existem trilhas e resolvi conhecer.
pt-es_2016_0578
Esta é a Trilha dos Lagos com a caminhada feita na areia, pelo calor que estava, os lagos estavas praticamente secos.
pt-es_2016_0590
Apesar da região estar bem seca, no caminho podem ser observada uma natureza exuberante, com espécies que eu nunca havia visto antes.
pt-es_2016_0596
Voltando para a praia, um banho delicioso nessa água transparente e bem fresca. Aqui é possível se banhar sem congelar, rs.
pt-es_2016_0614
Próximo da hora do almoço, resolvi retornar para conhecer restaurantes. Eu havia feito uma pequena lista de restaurantes possivelmente interessantes. Alguns passei na frente e nem deu vontade de entrar.
Parei no Restaurante Ribeirinha do Sado que estava bem cheio com espera. Apesar da lotação e correria, os funcionários eram muito prestativos e simpáticos. Por fora parece bem moderninho, mas por dentro é simples.
Para refrescar, comecei com o vinho verde, combina muito com o calor.
pt-es_2016_0630
De entrada me sugeriram as Almeijoas à Setubalense. Prato simples com ingredientes frescos e muito sabor.
pt-es_2016_0632
As almeijoas bem carnudas estavam maravilhosas, com equilíbrio perfeito dos temperos.
pt-es_2016_0633
Depois pedi os famosos Chocos fritos (espécie de lulas) e acompanhados de Miga. Os chocos estavam deliciosos, com tempero bem simples, carnudas e macias.
pt-es_2016_0635
A Miga é um prato típico de algumas regiões da Península Ibérica. Estes eram feitos com pão que são umedecidos e depois fritos. Ainda havia a composição tricolor, com sabores como coentro, brócolis e beterraba.
pt-es_2016_0636
Depois da bela refeição, fiz uma caminhada com paradas com cerveja para refrescar e no fim da tarde fui conhecer a Champanheria ou Ostradomus.
pt-es_2016_0645
Local com a combinação perfeita de espumantes e ostras.
pt-es_2016_0646
Conheci o proprietário muito simpático que contou um pouco sobre a história das ostras que serve. Ele também é produtor, no caso, a ostra Triangulata.
Gentilmente preparou uma porção com duas espécies diferentes, para que eu pudesse comparar. As maiores são as Gigas produzidas na região do Algarve, da mesma espécie que temos no Brasil, o sabor é levemente diferente, provavelmente pela diferença de fitoplâncton da região. A ostra menor é a Triangulata, espécie nativa, mais doce, produzida em Setúbal.
pt-es_2016_0649
Após esse lindo fechamento gastronômico, retornei a Lisboa feliz da vida.

Atlantic Ferries
Endereço: Doca do Comércio, 2900-000 Setúbal, Portugal.
Telefone: (351) 265 235 101.
Horário de funcionamento: 24 horas.

Restaurante Ribeirinha do Sado
Facebook: https://www.facebook.com/Ribeirinha-do-Sado-268542999881712/
Endereço: Av. Luísa Todi 586, 2900 Setúbal, Portugal.
Telefone: (351) 265 238 465.
Horário de funcionamento: Ter à Dom das 12h às 15; 19h às 22h.

Champanheria / Ostradomus
Endereço: Av. Luísa Todi 414, 2900-455 Setúbal, Portugal.
Telefone: (351) 265 220 996.
Horário de funcionamento: Ter à Dom das 12:30 às 15h; 19:30 às 23h.