Arquivo mensal: novembro 2016

Os deliciosos Bolinhos de Bacalhau

Pois, admito que nunca gostei de bolinhos de bacalhau… Mas adoro quando me convencem do contrário! Experimentei vários aqui no Brasil e nunca gostei, geralmente com fiapos secos parecendo sobras de bacalhau de quinta categoria e muito salgados.
No entanto, sempre tive a expectativa de um dia encontrar um que eu gostasse.
Com a chance de visitar Portugal, experimentei alguns em diferentes locais. Como esperado, amei! Mas claro, nem todos foram bons, rs. Aliás, lá eles chamam de pastel de bacalhau e não bolinho como chamamos aqui.

1) O Gaveto
Localizado em Matosinhos, onde pode-se chegar de transporte público a partir da área central de Porto, é um restaurante bem tradicional, famoso pelas especialidades com frutos do mar.
pt-es_2016_0865
Aqui pude conhecer o melhor bolinho de bacalhau que comi na minha vida. Levemente crocante por fora, fritura sequinha, com interior macio, suculento, equilibrado no tempero e na proporção dos ingredientes e com muito bacalhau.
pt-es_2016_0876

2) Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau
Localizado na movimentada e turística Rua Augusta, em Lisboa, a fachada charmosa chama a atenção de longe.
pt-es_2016_0525
São dois andares, no piso de cima, algumas mesas e os sanitários.
pt-es_2016_0090
Vista do piso superior.
pt-es_2016_0093
A mocinha muito simpática que fica enrolando os pastéis de bacalhau.
pt-es_2016_0088
Aliás, todos os funcionários aqui são muito simpáticos e atenciosos.
pt-es_2016_0089
O diferencial deste estabelecimento é o recheio com o famoso queijo Serra da Estrela.
pt-es_2016_0091
O que achei? Fantástico!!! A massa do pastel é delicioso e esse recheio é incrível.
pt-es_2016_0092
Não resisti, e como fiquei alguns dias em Lisboa, voltei, desta vez para provar a harmonização com o vinho do Porto Branco. Mais uma descoberta sobre as harmonizações de vinhos do Porto com pratos salgados.
pt-es_2016_0526

3) Pastéis de Belém
Próximo ao Mosteiro dos Jerônimos, um local que vale uma visita se estiver em Lisboa, este estabelecimento é dos mais famosos. Internamente parece um gigantesco labirinto, imagino que tenha sido o resultado de constantes ampliações. Dizem que fica muito cheio, especialmente em períodos de alta temporada, como a que fui, assim, resolvi ir cedo, para um café da manhã antes de visitar o Mosteiro dos Jerônimos. Foi uma escolha acertada, pois estava vazia e pude experimentar vários quitutes da casa com calma e conforto.
pt-es_2016_0380Entre os itens que pedi, estava o pastel de bacalhau. Sinceramente, fiquei muito desapontada. Estava frio, massudo de batata e com pouco sabor de bacalhau.
pt-es_2016_0386

4) Casa Brasileira
Também localizada na Rua Augusta em Lisboa, é uma casa bem conhecida, especialmente pelos doces tradicionais portugueses.
pt-es_2016_0134
Como havia pastel de bacalhau no cardápio, resolvi provar. Era gigante…
pt-es_2016_0523
E proporcionalmente decepcionante. Era mais um bolinho de batata, na qual vc pode ter a sorte de encontrar algum pedaço mal cortado de bacalhau. Fora a pimenta do reino em excesso.
pt-es_2016_0524

Apesar de ter experimentado alguns bolinhos ruins para péssimos, fiquei felicíssima pela oportunidade de conhecer pastéis de bacalhau absolutamente incríveis!

1) O Gaveto
Website:
Endereço: .
Telefone: (
Horário de funcionamento: todos os dias das 12h às 1:30.

2) Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau
Website:
Endereço: .
Telefone: (
Horário de funcionamento: todos os dias das 10h às 20h.

3) Pastéis de Belém
Website: http://pasteisdebelem.pt/
Endereço: R. Belém 84-92, 1300-085, Lisboa, Portugal.
Telefone: (351) 21-363-7423
Horário de funcionamento: todos os dias das 8h às 23h.

4) Casa Brasileira
Facebook: https://www.facebook.com/casabrasielira/
Endereço: R. Augusta 267, 1100 Lisboa, Portugal.
Telefone: (351) 21-346-9713
Horário de funcionamento: todos os dias das 7h às 1h.

 

Ryo, resignificando origens e compartilhando tradições

O novo restaurante japonês da cidade, Ryo, chega com uma proposta diferenciada, ressignificando origens e compartilhando tradições. O chef Edson Yamashita, apresenta o estilo Kaiseki ao público, para que vivenciem uma experiência gastronômica tradicional japonesa.
A entrada é discreta, mas logo percebe-se a amplitude da casa. No andar térreo o salão com mesas e um balcão em L. No andar superior, uma mesa grande para 8 pessoas e uma sala de tatami bem espaçoso para 12 pessoas.
spoon-2016_0463Os pratos servidos na sequência sofrem mudanças constantes, aproveitando os melhores ingredientes da época. Portanto, caro leitor, não necessariamente encontrará esses pratos quando for conhecer o restaurante.
spoon-2016_0464
Inicialmente é servida uma água especial, com o intuito de preparar o nosso corpo para a experiência prestes a começar.
spoon-2016_0465
Delicado canapé com o “biscoito” feito na casa, leve, crocante, que desmancha na boca e que tem leve toque cítrico, com o tradicional karasumi.
spoon-2016_0466
Normalmente não peço drinks com saquês, mas fiquei curiosa nesse dia, ainda mais porque vai shisso na composição, um elemento difícil de utilizar em drinks. Bem, foi como eu imaginei, o shisso deu um amargor estranho, mas combinou com alguns pratos com sabor mais intenso.
spoon-2016_0468
Sunomono com pepino, alga, polvo, sanma e berinjela. Belíssimo prato!
spoon-2016_0470
Sashimi de atum, garoupa e buri sobre gelo picado.
spoon-2016_0471
Tomate Momotaro recheado com peixe e dashi. Quando chegou o prato, confesso que a primeira sensação foi de decepção, tomate com caldo?
spoon-2016_0472
Mas após a primeira colherada foi possível lembrar porque sempre gostei dos pratos do chef Yamashita. O trabalho dele com caldos é maravilhoso. Leve, delicado, mas ao mesmo tempo rico em sabor.
spoon-2016_0473
Magret de pato com purê de brócolis. Cada elemento do prato possuía um sabor delicioso, individualmente, e o pato estava no ponto com a casquinha perfeitamente torrada.
spoon-2016_0474
Sequência de sushis. Para mim, essa parte em especial, faz total diferença sentar-se ao balcão e receber um a um da mão do sushiman.
É difícil dizer qual o melhor sushi da cidade. Prefiro entender que existem diferentes estilos e cada um escolhe o preferido. No meu caso, os sushis feitos pelo chef Yamashita, são dos meus preferidos em São Paulo.
Uma sequência de sushis memoráveis, com direito a tai, toro, buri, carapau, vieira, massago, garoupa, toro com shisso e uni.
spoon-2016_0493
Uma belíssima surpresa, sushi de masago com gema de ovo curtido em misso.
spoon-2016_0480
Sushi com músculo de garoupa, uma das melhores da noite, sim, amo essa parte do peixe!! Pena que nem todos os sushimen sabem utilizar essa nobre parte.
spoon-2016_0482
Uni para fechar a sequência de sushis, claro, não podia faltar.
spoon-2016_0485
Surpresa à vista…
spoon-2016_0486
Bela composição do Arani com tilápia cozida em caldo que surpreende e enobrece o peixe.
spoon-2016_0488
De sobremesa, Mil Crepes de Matcha da confeiteira querida, Vanessa Fujihara. Bem delicado e japonês.
spoon-2016_0490
Chá para terminar a noite deliciosa.
spoon-2016_0492
Foi uma noite bastante agradável, com uma equipe muito acolhedora e simpática. Esse tipo de experiência completa, onde há um equilíbrio entre o espaço, a comida e o atendimento, é o que eu realmente aprecio.
Parabéns à equipe e muito sucesso! Gotisousamadeshita!

O Soft Open do Ryo vai de 25/10/16 à 30/11/16, com 30% de desconto na sequência de pratos. É necessário fazer reserva.

Ryo
Website: http://ryogastronomia.com.br/
Facebook: https://www.facebook.com/ryogastronomia/
Endereço:R. Pedroso Alvarenga, 665, Itaim Bibi, São Paulo, SP
Telefone: (11) 3881-8110
Horário de funcionamento: Ter à Sáb 18h às 0h.
OBS: Atende apenas sob reserva