Arquivo mensal: janeiro 2015

O Kan

Ah, o Kan, um dos primeiros do meu wishlist, um restaurante quase que inatingível, assim como o Jun Sakamoto, por conta de tanto que se ouve a seu respeito. Bloqueios? Sim, tanto em relação ao preço quanto à dificuldade de conseguir um lugar. Queria começar com o almoço, pois todos sabem que os almoços nos restaurantes japoneses podem ser bem convidativos em relação ao preço. Aproveitei minhas pequenas férias para conhecer a arte do Egashira san.
Assim que foi definida a data de minhas folgas, liguei para fazer a reserva, já meio sem esperança de conseguir um lugar, já que estava ligando uma semana antes. Para a minha surpresa, foi fácil fácil, claro, para o almoço. Então fica a dica, almoço é bem tranquilo para reservas.
O espaço é bem diminuto mesmo, como sempre ouvi falar, e lá estava o famoso Egashira san.
Spoon.2014_0836Assim que chegamos, fomos levados ao balcão onde fiz a reserva. Uma senhora chega com um menu minúsculo, mais ou menos do tamanho da palma da mão com o cardápio em japonês. Meio seca, sem muitas palavras, quase que pressiona a escolher logo a opção de almoço, no caso, um prato de sushis variados do dia ou tirashizushi.
Pela fama do restaurante, pedimos os sushis.
Spoon.2014_0838Destaque nesse prato, dois elementos o dashimaki tamago, um clássico japonês executado com primor…
Spoon.2014_0840E o camarão, um grande diferencial na sua forma de preparo. Reparem na cor e textura, diferente, não? Um leve sabor de misso, mas de forma bem equilibrada.
Spoon.2014_0841Tivemos a sorte de presenciar o preparo deste camarão. Egashira san vai misturando os camarões cozidos em um líquido com misso na composição.
Spoon.2014_0848Ainda acompanha o almoço, um misoshiru muito suave com vôngoles. Além de delicioso, é um prato lindo, pela cor do caldo, o recipiente parecendo areia e pedras do mar, as conchinhas visíveis e a cebolinha fatiada na diagonal finalizando a composição. Sim, sou meio neurótica, reparo no corte de cebolinha de todos os lugares que vou, kkk.
Spoon.2014_0843Ok, ok, vou ser sincera, não foi suficiente para mim, faço parte do “Gordinhos em Ação”, kkk. Pedi o outro almoço de tirashi. Na verdade, queria o tirashi não de almoço, mas o digamos, à la carte, mas achei que não tinha disponível no almoço. Para a minha decepção, os ingredientes eram praticamente os mesmos do prato de sushis. Então fica a segunda dica, sushi ou tirashi, se for pedir o almoço executivo, será praticamente os mesmos ingredientes apresentados de forma diferente, ok.
Spoon.2014_0846Nessa altura, não aguentava mais de curiosidade em relação ao shari (arroz temperado de sushi) com a cor escura, que parecia que havia sido regado de shoyu. Perguntei ao Egashira san, que não fala muito bem o português. Bem, nessas horas, saber falar japonês é muito bom! Me respondeu que, utiliza o vinagre negro, que é meio adocicado, assim, ele não precisa utilizar açúcar no preparo do shari. Além de não precisar de açúcar, o arroz temperado se torna extremamente suave, e a palavra que Egashira san usa é “YASASHII”, o que descreve com exatidão a sensação que passa. Seria algo como “amigável”.
Spoon.2014_0849Continuando a conversa, descobri que os pratos além do almoço executivo podem ser solicitados normalmente também. Fiquei de voltar para experimentar o tirashi mais completo, que segundo ele é bem mais variado, com itens como ovas e chu-toro.
Uma palavra me marcou muito nessa experiência deliciosa: YASASHII!!!
Valor do almoço? R$ 45! Vale a pena para conhecer e ter uma noção do trabalho de Egashira san.
Gotisousamadeshita!!! E até a próxima, desta vez tentando uma reserva para noite, hehe.

Kan
Endereço: Rua Manoel da Nóbrega, 76, Loja 12, Paraíso, São Paulo, SP.
Telefone: (11) 3266 3819
Horário de funcionamento:De terça a sábado: 11h30 – 14h e  18h – 22h / Segunda: fechado / Domingo: 18h – 22h

Pub Key – restaurante japa em shopping pode?

Esse foi uma das grandes surpresas em relação a restaurantes japoneses. O Pub Key está localizado dentro do Shopping Top Center na badalada Avenida Paulista. Antes de conhecer, a minha pergunta era, sério, restaurante japonês dentro de shopping center? affff.
Só que este é um caso à parte. Sim, está localizado dentro de um shopping center, mas tem um detalhe muito importante, encontra-se também no mesmo prédio o Consulado japonês. Bem, nem preciso dizer mais nada, né!Spoon.2014_0909Nesta visita pedimos o Ebi Fry Karê. O prato principal vem com arroz e camarões empanados, com molho karê à parte que vamos despejando no prato. Acompanha o prato itens como misoshiru, salada, picles japonês e fruta da estação de sobremesa.
Spoon.2014_0911Aqui vale o vídeo que fizemos!!!

Detalhe do Ebi Fry, isto é, camarões empanados.
Spoon.2014_0912Experimentamos também um combinado de sashimis e sushis. Sinceramente, fantástico! Frescor e fatias generosamente saborosas…
Spoon.2014_0913Amei o restaurante, e em ótima companhia, tudo estava absolutamente delicioso. Mais um capítulo de “Gordinhos em Ação”!!! kkk.
Spoon.2014_0915Não vejo a hora de experimentar mais pratos…

Pub Key
Endereço: Avenida Paulista, 854, Top Center, loja 69, Bela Vista, São Paulo, SP
Telefone: (11) 3145-1741

Por trás dos cogumelos de alta tecnologia

Foto: Estadão (topicos.estadao.com.br)

Começo o ano de 2015 com um post dedicado ao produtor de cogumelos que passei a admirar enormemente, Iwao Akamatsu. Por intermédio de uma amiga, no segundo dia de 2015, pude visitar e conhecer um pouco deste trabalho em Sorocaba.
Conhecer o processo de produção de cogumelos com tamanho detalhamento foi incrível, mas mais que isso, o que me impressionou mesmo foi toda a história de Iwao. Circunstâncias da vida o levaram à tentar a produção de shitake. Começou de forma bastante artesanal nos fundos de uma casa. Aos poucos, vendo a possibilidade de um mercado para o seu produto, conseguiu ampliar o negócio iniciando uma sociedade, conseguindo as primeiras câmaras refrigeradas, já no local onde atualmente se encontra. Aqui nascia o Cogumelos Yuri.
Ainda no começo dessa nova empreitada, houve a perda da produção toda, o que o motivou a tentar pesquisar sobre a produção com maior profundidade. Após eventos que pareciam obras do destino, conseguiu estudar um pouco mais sobre a produção de cogumelos no Japão, conseguindo bolsa de estudos pela JICA.
Anos de batalha, dedicação, passando por privações, e hoje um modelo de produção de cogumelos em todos os sentidos. Além de todo o cuidado de cada etapa da produção, existe também as pesquisas em laboratório próprio e parceria com universidades e a atenção com os seus funcionários, seja com incentivos, seja com as ações visando a melhor qualidade de vida dos mesmos.
Para mim foi uma experiência inspiradora, um exemplo de profissional e de vida. Uma pessoa simples e batalhadora com o talento nato de ensinar.

Aqui deixo algumas imagens da visita. Começamos com a serragem, base para a confecção dos blocos, com os quais é possível ter produção o ano todo, diferentemente das toras de eucalipto que depende da sazonalidade. A serragem é lavada, sendo regada a cada meia hora durante um mês, para a retirada de impurezas e principalmente o tanino.
Spoon.2015_0003A necessidade de água é constante e para isso, ocorre o aproveitamento de água de chuva que é coletada e armazenada, além do tratamento da água já utilizada.
Spoon.2015_0002Os equipamentos para a lavagem da serragem, seu preparo, a produção dos blocos, semeadura, ensacamento, enfim, praticamente tudo, foi projetado por Iwao, que utiliza conhecimentos adquiridos durante a vida, desde o colégio, passando pela faculdade de física e arquitetura. É um verdadeiro professor pardal!
Spoon.2015_0013Acompanhamos pelos galpões, passando por todas as fases da produção de cogumelos. São salas refrigeradas com inúmeras caixas organizadas e identificadas. Aqui estamos na sala em que os cogumelos são desenvolvidos até a colheita. Os shitakes são colhidos aos poucos, conforme alcançam a maturação adequada.
Spoon.2015_0009Uma parcela pequena da produção dos blocos é levado até a produção final, estes vão para o Rio de Janeiro, onde não possui produtor parceiro. A maior parte é comercializada para cerca de 40 produtores, ainda em estágio anterior à formação dos cogumelos. Na foto os sacos com os blocos brancos prontos para serem transportados.
Spoon.2015_0016Agradeço à minha amiga Mika que me proporcionou esse dia inesquecível, e ao Iwao pela maravilhosa experiência e aprendizados. Ainda pude apreciar deliciosos pratos feitos com shitake, pode? Gotisousamadeshita!!!